Prevalência e diagnóstico da depressão em medicina geral e familiar

Bruno Gonçalves, Teresa Fagulha

Resumo



Objectivos: Obter uma estimativa da prevalência de perturbações depressivas entre os utentes com 35 a 65 anos que recorrem aos serviços de Cuidados de Saúde Primários; estudar a validade da versão portuguesa da CES-D (Center for Epidemiologic Studies Depression Scale); estudar os factores que podem dificultar o diagnóstico de depressão pelo clínico geral.
Tipo de Estudo: observacional, descritivo, transversal.
Local: Centro de Saúde de Cascais.
População: Utentes com 35-65 anos que recorrem à consulta.
Métodos: Entre Abril e Junho de 2000 foi recolhida uma amostra de 260 utentes da faixa etária definida que tinham recorrido à consulta no Centro de Saúde. O médico indicou, para cada caso, os problemas de saúde activos. Cada um desses utentes respondeu, em seguida, à escala de depressão (CES-D), e, os que aceitaram (N=179), participaram numa entrevista estruturada conduzida
por um psicólogo e visando avaliar a eventual presença duma perturbação depressiva segundo os critérios do DSM-IV.
Resultados: Verificou-se que 13% dos utentes satisfaziam os critérios para o diagnóstico de um Episódio Depressivo Major e, globalmente, 33% apresentavam alguma forma de perturbação depressiva. O clínico geral indicou a presença de problemas depressivos apenas em 36% destes casos (ou 46% dos que satisfaziam os critérios para Episódio Depressivo Major). O facto dos sujeitos apresentarem outros problemas de saúde e não apresentarem espontaneamente queixas de tipo depressivo parece ser o factor que mais contribui para a dificuldade de diagnóstico.

Palavras-chave


Depressão; Medicina Geral e Familiar; Diagnóstico; Escala de Depressão

Texto Completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.32385/rpmgf.v20i1.10006

Apontadores

  • Não há apontadores.


Copyright (c)