Abordagem da disfunção tiroideia subclínica

Natália Guerreiro

Resumo



Objectivos: A disfunção tiroideia subclínica é um problema prevalente. No entanto, existe, ainda, controvérsia quanto à sua abordagem. É objectivo da presente revisão sistematizar essa abordagem com base na evidência científica actual.
Metodologia: Foi realizada uma pesquisa de artigos publicados nas bases de dados Medline/Pubmed, Cochrane Library, Medscape, entre 1998 e 2008. Dos 226 artigos encontrados, atendendo ao interesse clínico e tipo de estudo, foram seleccionados 15.
Resultados: A disfunção tiroideia subclínica inclui o hipotiroidismo subclínico e o hipertiroidismo subclínico. A progressão para hipotiroidismo clínico ocorre em 2% a 5% por ano, sendo mais provável com valores de Hormona Estimulante da Tiróide (TSH) elevados e presença de anticorpos anti-peroxidase. É recomendado iniciar tratamento com levotiroxina quando o nível de TSH é superior a 10 mU/l. Quando o nível de TSH se encontra entre 4,5 a 10 mU/l devem tratar-se os doentes sintomáticos e as grávidas. A progressão para hipertiroidismo clínico pode chegar aos 5 % por ano, sendo o risco de progressão maior se existir doença tiroideia prévia ou consumo de amiodarona. Os casos confirmados de hipertiroidismo subclínico devem ser referenciados a um serviço de Endocrinologia, para se efectuar o diagnóstico etiológico e optimização da terapêutica.A monitorização do doente deve ter uma periodicidade adaptada à fase do tratamento.
Conclusão: Não há evidência clara das consequências clínicas da disfunção tiroideia subclínica não tratada e dos benefícios do seu tratamento.Até que estudos de larga escala estejam disponíveis, a melhor abordagem consiste no julgamento clínico, tendo em conta a sintomatologia, os níveis séricos de TSH e a preferência do doente.

Palavras-chave


Abordagem; Disfunção Tiroideia Subclínica

Texto Completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.32385/rpmgf.v25i2.10604

Apontadores

  • Não há apontadores.


Copyright (c)