A abertura da consulta. O fim está no princípio

José Mendes Nunes

Resumo


O desenvolvimento tecnológico relacionado com a medicina levou à desvalorização da relação médico-doente em favor da relação médico-tecnologia. A consulta é um procedimento de diagnóstico e terapêutico de elevada complexidade técnica e o seu êxito depende da qualidade da relação médico-doente nela desenvolvida. Por outro lado, se, na relação médico-tecnologia, a competência está no saber fazer e quando fazer, na relação médico-doente, para além desta competência, é necessário saber ser e quando ser. Estas duas ordens de competências têm de ser constantes ao longo de todas as fases; no entanto, a observação da prática mostra que na fase de abertura existe alguma atenuação no grau de empenho do clínico, que se repercute nas fases subsequentes da consulta com impacto no resultado global. O presente trabalho tem por objectivos descrever argumentos demonstrativos da necessidade de maior investimento na fase de abertura, e apresentar algumas técnicas que aumentam a probabilidade de o doente construir primeiras impressões positivas e favoráveis ao estabelecimento de uma relação terapêutica efectiva.

Palavras-chave



Texto Completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.32385/rpmgf.v25i2.10608

Apontadores

  • Não há apontadores.


Copyright (c)