Implementação da comunicação médico-doente via endereço electrónico na consulta de MGF

Rita Pinhão, Marlene Calisto, Marta Arnaut Pimentel, Rute Fernandes

Resumo



Introdução: A correspondência electrónica tem adquirido um espaço importante na troca de informação e nas relações interpessoais.
A sua relevância e utilidade na área da saúde levaram à criação de orientações pelo Comité Permanente dos Médicos Europeus e pela American Medical Informatics Association para a correspondência electrónica nos cuidados ao utente.
Face às potencialidades da comunicação electrónica e ao facto de se desconhecer, em Portugal, a dimensão da sua utilização, considerou-se pertinente analisar a experiência de um médico de família (MF) que introduziu esta via de comunicação na sua prática clínica.
Objectivo: Com este trabalho pretende-se caracterizar os utentes utilizadores de endereço electrónico (e-mail) da lista de um MF, quanto ao sexo e idade, e conhecer os motivos pelos quais o utilizaram.
Tipo de Estudo: Estudo observacional, descritivo, transversal.
Local: Centro de Saúde de Cascais, USF Marginal.
População: Utentes que forneceram o e-mail de 15 de Dezembro de 2007 até 26 de Junho de 2008.
Métodos: Consulta de processos clínicos e dos e-mails recebidos. Base de dados e tratamento estatístico realizados no programa Microsoft Office Excel 2003.
Resultados: Da lista de utentes do MF, 283 (15,2%) forneceram o e-mail, sendo 64,0% do sexo feminino. A média de idades foi 44,8 (± 18,5) anos. Dos 283 utentes que forneceram o e-mail, 30,0% usaram este meio de comunicação, o que corresponde a 5,0% da lista de utentes. Foram recebidas 204 mensagens. Os motivos mais frequentes foram: questões administrativas (36,9%), informação sobre resultados de exames complementares de diagnóstico (13,1%), dúvidas relacionadas com a saúde (11,2%) e acompanhamento clínico (10,7%).
Conclusões: Relativamente ao motivo de contacto, os resultados vão de encontro aos obtidos noutros estudos e são concordantes com as recomendações europeias e norte-americanas.
O e-mail poderá ser um importante complemento da consulta presencial, permitindo melhorar a qualidade dos cuidados prestados e a gestão do tempo dos profissionais de saúde.

Palavras-chave


Correio Electrónico; Relação Médico-Doente; Comunicação; Cuidados de Saúde Primários

Texto Completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.32385/rpmgf.v25i6.10688

Apontadores

  • Não há apontadores.


Copyright (c)