Perfil de prescrição antibiótica no tratamento das infecções das vias aéreas superiores

Ana Bessa Monteiro, Ana Dulce Castanheira, Miriam Castro, Nuno Capela

Resumo



Objectivos: Determinar a proporção de infecções das vias aéreas superiores (IVAS) tratadas com antibiótico numa Unidade de Saúde Familiar (USF); verificar quais os antibióticos mais prescritos nas IVAS; avaliar se existe relação entre a prescrição de antibióticos e a idade e o sexo do doente; avaliar se existe relação entre o antibiótico prescrito e a idade do doente.
Tipo de estudo: observacional, analítico e transversal.
Local: Unidade de Saúde Familiar (USF) Serpa Pinto, no Porto.
População: Utentes inscritos na USF com pelo menos um contacto médico codificado como IVAS.
Métodos: Recolheu-se a informação a partir dos sistemas MedicineOne® e SAM® e incluíram-se as consultas classificadas, segundo a International Classification of Primary Care-2, como: R21; R72; R74; R75; R76.
Resultados: Das 299 consultas estudadas, 61,2% foram realizadas a mulheres. A média de idades foi de 26,4 anos (± 22,3). Os diagnósticos mais frequentes foram R76 (48,1%) e R74 (38,7%). Foi prescrito antibiótico em 68,2% das consultas, sendo a classe das penicilinas a mais prescrita (90,6%). Não existiu relação entre a prescrição de antibióticos e o sexo ou a idade do doente. Verificou-se uma diferença estatisticamente significativa entre a idade e a classe de antibiótico prescrita: penicilinas (25,1 anos ± 22,1) vs restantes classes (39,7 anos ± 20,1) (p < 0,001).
Conclusões: A classe dos beta-lactâmicos foi a mais usada para o tratamento de IVAS, com uma maior proporção de penicilinas prescritas, em relação a outros estudos. Por outro lado, verificou-se existir relação entre a idade e a classe terapêutica de antiótico prescrita.

Palavras-chave


Agentes Antibacterianos; Infecção das Vias Respiratórias Superiores; Cuidados de Saúde Primários



DOI: http://dx.doi.org/10.32385/rpmgf.v27i6.10898

Apontadores

  • Não há apontadores.


Copyright (c)