Da transexualidade à disforia de género – protocolo de abordagem e orientação nos cuidados de saúde primários

Ana Gabriela Carvalho Olivera, Ana Filipa Vilaça, Daniel Torres Gonçalves

Resumo


Objetivo: Elaborar um protocolo de atuação clínica perante um diagnóstico de transexualidade, com ou sem disforia de género, a ser aplicado nos Cuidados de Saúde Primários.

 

Fontes de Dados e métodos de revisão: Pesquisa na base de dados Pubmed de artigos desde 2010 até à atualidade, com as palavras-chave “Gender dysphoria” e “Transsexualism”. Pesquisa de legislação portuguesa aplicável ao tema. 

 

Resultados: A transexualidade integra o espectro das perturbações de identidade de género e compreende a existência de uma discrepância entre o sexo biológico e a identidade de género com a qual a pessoa se identifica. Esta leva, muitas vezes, a sentimentos de angústia e infelicidade. Quando estes sentimentos estão presentes, a condição designa-se por disforia de género. Porém, a transexualidade e a disforia de género nem sempre coexistem. Todo o médico de família deve conhecer o normal desenvolvimento sexual de um indivíduo. Só assim conseguirá identificar alguns desvios ao binarismo feminino/masculino e reconhecer uma perturbação da identidade género.  Através de uma história clínica minuciosa, baseada na história sexual, e de um exame objetivo dirigido é possível fazer o diagnóstico, que assenta, essencialmente, nos critérios do DSM-5 e CID-10. Posteriormente, o médico de família pode orientar o doente para os Cuidados Hospitalares, para que este seja acompanhado por uma equipa multidisciplinar. Para além disto, deve também requisitar meios complementares de diagnóstico para monitorizar os efeitos secundários das terapêuticas instituídas.

 

Conclusões: O diagnóstico diferencial da transexualidade é complexo e nem sempre de fácil resolução. O médico de família assume uma posição privilegiada neste diagnóstico, ao acompanhar de perto o desenvolvimento do indivíduo desde o nascimento até à idade adulta. A implementação de um protocolo pioneiro de abordagem da transexualidade com/sem disforia de género, que uniformize a conduta médica, tem por objetivos evitar atrasos no diagnóstico e o perpetuar do sofrimento individual.

Texto Completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.32385/rpmgf.v35i3.12105

Apontadores

  • Não há apontadores.


Copyright (c) 2019 Revista Portuguesa de Medicina Geral e Familiar