Como se vêem os nossos adolescentes? Avaliação da perceção da imagem corporal numa população escolar

Carolina Guimarães, Ana Teresa Maria, Inês Candeias, Sofia Almeida, Carina Cardoso, Sofia Moura Antunes, Rita Calado, Raquel Firme, Sara Martins

Resumo


Objetivos: O objetivo deste estudo foi avaliar a perceção corporal numa população escolar e identificar fatores de risco para insatisfação corporal.

Tipo de estudo: Estudo observacional transversal

Local: Três escolas aleatoriamente selecionadas.

População: Adolescentes do 5º-8º ano

Métodos: Realizado inquérito sócio-demográfico, aplicada escala pictórica de Collins (silhuetas de 1 - extremamente magro a 7 - obeso) e avaliação antropométrica. Significância estatística p<0,05.

Resultados:  Incluídos 431 adolescentes, idade média 12,8 anos, 52,7% do sexo feminino, doença crónica reportada em 14%, excesso de peso em 18,3% e obesidade em 13,2%. Perceção corporal: discrepância entre a figura real e a desejada em 47,9% (37,7% ideais mais magros, 10,2% ideais mais pesados). Comparação feminino vs masculino: figuras mais pesadas no Eu (p<0,001), maior insatisfação corporal (56,8% vs 37,9%), discrepância Eu-Eu ideal e Eu-Adulto ideal mais elevadas (p=0,002; p<0,001) e maior desejo em perder peso (52,9% vs 27,4% p<0,001).  Sobrepeso vs normoponderais: figuras mais pesadas no Eu (p<0,001) e Eu ideal (p<0,001), insatisfação corporal em 75,7% vs 35%, maior discrepância Eu-Eu ideal e Eu-Adulto ideal (p<0,001). Idade e doença crónica sem significância estatística.

Conclusões: Encontrámos uma elevada prevalência de insatisfação corporal e identificámos como fatores de risco o sexo feminino e o excesso de peso/obesidade.


Texto Completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.32385/rpmgf.v35i2.12126

Apontadores

  • Não há apontadores.


Copyright (c) 2019 Revista Portuguesa de Medicina Geral e Familiar