Raciocínio médico na consulta com doente e acompanhante – reflexão a propósito dum caso clínico

Nuno Florêncio, Catarina Trindade, Tatiana Santiago

Resumo


Resumo

Introdução: A presença de acompanhantes nas consultas de Medicina Geral e Familiar (MGF) é frequente, no entanto as suas implicações não estão bem estudadas. A discussão deste caso clínico tem como objetivo refletir como a presença de acompanhantes na consulta pode interferir na relação médico-doente e no raciocínio clínico.

Descrição do caso: Doente de 33 anos, estrangeiro, com agravamento da enxaqueca e crises suspeitas de epilepsia, com cerca de 2 anos de evolução. Foi estudado em internamento de Neurologia, sem diagnóstico claro. Na consulta de MGF, devido à barreira linguística, a companheira por vezes falava pelo doente e descrevia episódios compatíveis com crises epilépticas. Aprofundando efetivamente as queixas do doente, foram diagnosticadas perturbação depressiva major e perturbação de pânico. O doente respondeu favoravelmente ao tratamento, permitindo-lhe retomar a sua atividade profissional.

Comentário: A perspetiva generalista, biopsicossocial e centrada na pessoa permite ao médico de família interpretar de forma livre as queixas dos doentes. No entanto, as implicações da presença de acompanhantes no raciocínio clínico deverão ser melhor estudadas.

Palavras-chave: Relação médico-doente; raciocínio médico.

 

Abstract

Background: The presence of companions during General Practice consultation is frequent and it’s implications have not been thoroughly studied. The aim of this clinical report is to think over how the presence of companions may interfere in the doctor-patient relation and clinical reasoning.

Results: A foreign 33 year-old patient, presented with worsening migraine and seizure-like episodes, for about 2 years. He was extensively studied in Neurology without a clear diagnosis. In the general practicioner (GP) consultation, due to the language barrier, his girlfriend frequently spoke for him and described the seizure-like episodes. Clarifying the patient’s complaints, he was diagnosed with major depressive disorder and panic disorder. The patient responded completely to the prescribed medication and returned to work.

Conclusion: The general practice, biopsychosocial and patient centered perspective allow the GP to interpret patient’s complaints freely and without prejudices. However, the presence of companions and its impact on clinical reasiong and doctor-patient relation should be better investigated.

Keywords: Physician-Patient Relations; medical reasoning.


Texto Completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.32385/rpmgf.v35i6.12237

Apontadores

  • Não há apontadores.


Copyright (c) 2019 Revista Portuguesa de Medicina Geral e Familiar