A problemática dos cancros de intervalo

Cátia Lírio, José Varandas

Resumo



Enquadramento: O cancro colorretal (CCR) é o terceiro cancro mais comum e a quarta principal causa de morte por cancro em todo o mundo. Os cancros de intervalo, isto é, aqueles que ocorrem após um exame de rastreio negativo antes do próximo exame agendado, representam 2,8-4,9% de todos os CCR esporádicos.
Descrição do caso: Mulher de 70 anos, com antecedentes pessoais de hipertensão, dislipidemia, angina estável e hiperuricemia. Sem antecedentes familiares oncológicos, cumpria o programa de rastreio do CCR para população de médio risco, tendo sido diagnosticado carcinoma do reto (estadio III) dois anos depois de uma colonoscopia sem achados patológicos.
Comentário: Os cancros de intervalo são um indicador importante da qualidade e da eficácia dos programas de rastreio do CCR. A etiologia é multifatorial havendo, no entanto, quatro teorias que têm sido propostas para explicar os cancros de intervalo: lesões não detetadas, polipectomia incompleta, erros de diagnóstico da biópsia e novos pólipos com progressão rápida. Assim, apesar de contribuir substancialmente para a diminuição da mortalidade por CCR, é importante reconhecer que o rastreio não impede a ocorrência de cancros de intervalo.

Palavras-chave


Cancro colorretal; Cancro de intervalo.

Texto Completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.32385/rpmgf.v33i6.12302

Apontadores

  • Não há apontadores.


Copyright (c) 2018 Revista Portuguesa de Medicina Geral e Familiar