Hipertensão secundária a neoplasia renal: relato de um caso

Vanda Reis Figueiredo, Ana Catarina Gonçalves, Lúcia Valente

Resumo


Introdução: A hipertensão areterial (HTA) é uma causa importante de morbi-mortalidade cardiovascular, potencialmente tratável. A marcha diagnóstica perante uma situação de HTA de novo implica a identificação de fatores de risco cardiovasculares, deteção de lesão de órgão-alvo e investigação, se aplicável, de causas de hipertensão secundária. A presença de elevação súbita e/ou severa da pressão arterial, particularmente no adulto jovem, deve sugerir ao Médico a possibilidade de hipertensão secundária a outro fenómeno nosológico.

Descrição de caso: Homem de 40 anos, com tensão arterial elevada, dislipidemia e excesso de peso, sem outros antecedentes de relevo que recorre ao seu Médico de Família por noção de agravamento dos valores tensionais, de instalação recente e súbita. Negava qualquer sintomatologia e o exame objetivo revelou-se inocente. Ajustou-se a terapêutica e, atendendo à idade do doente, deu-se início estudo etiológico para exclusão de HTA secundária, tendo sido solicitadas análises clínicas, ECG, ecocardiograma e ecografia renal. A ecografia renal revelou uma formação expansiva ao nível do seio renal direito, predominantemente ecogénica e com crescimento para o parênquima renal direito tendo sido solicitada TAC renal para melhor esclarecimento da imagem. Confirmou-se assim a existência de uma volumosa massa renal compatível com carcinoma de células renais. Foi imediatamente encaminhado via Alert urgente, à consulta de Urologia do hospital com o menor tempo de espera previsto, pedido esse que, não obstante, se viu gorado por alegada “incapacidade de resposta em tempo útil”. Foi então encaminhado ao serviço de Urologia do hospital da área de residência que, apesar do anunciado tempo de espera superior, pode realizar a necessária nefrectomia laparoscópica em tempo útil e sem intercorrências. Comentário: O presente caso, sustenta a necessidade de sensibilizar os Médicos que habitualmente lidam com o diagnóstico de hipertensão para a realidade da hipertensão secundária a outros fatores mórbidos, principalmente no adulto jovem.


Texto Completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.32385/rpmgf.v36i1.12341

Apontadores

  • Não há apontadores.


Copyright (c) 2020 Revista Portuguesa de Medicina Geral e Familiar