Terá a melatonina uma ação fotoprotetora cutânea? Uma revisão baseada na evidência

Carolina Boavida Ferreira, João Boavida Ferreira

Resumo


Introdução: Rever a evidência existente acerca do uso da melatonina como fotoprotetor e agente redutor do envelhecimento cutâneo.

Métodos: Pesquisa nas bases de dados National Guideline Clearinghouse, NICE Guidelines Finder, The Cochrane Library e MEDLINE/PubMed, de normas de orientação clínica (NOC), revisões sistemáticas (RS), meta-análises (MA) e ensaios clínicos aleatorizados (ECA), publicados entre janeiro de 1998 e janeiro de 2018, usando os termos MeSH "skin", "melatonin" e "stress". A pesquisa foi limitada a artigos escritos em inglês e português.

Resultados: Foram incluídos 7 ECA de uma pesquisa inicial de 93 artigos. Não foram incluídas RS, MA ou NOC por não se enquadrarem nos critérios de inclusão. Os artigos selecionados demonstraram uma clara eficácia do uso da melatonina na redução de sinais de fotoenvelhecimento cutâneo e eritema pós-exposição, se usados antes da exposição solar ou radiação ultravioleta; se usado posteriormente, o seu efeito foi nulo.

Conclusões: A terapia com melatonina tem, a curto prazo, efeito fotoprotetor e retardador do envelhecimento cutâneo. Os estudos incluídos nesta revisão tinham amostras de pequenas dimensões e um curto período de follow-up. São necessários estudos com amostras de maiores dimensões e com maior período de follow-up, para testar a eficácia e a segurança da melatonina como terapêutica a longo prazo.

Palavras-chave


Melatonina; fotoenvelhecimento; fotoproteção

Texto Completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.32385/rpmgf.v36i1.12569

Apontadores

  • Não há apontadores.


Copyright (c) 2020 Revista Portuguesa de Medicina Geral e Familiar