O impacto da redução intensiva do c-LDL na morbimortalidade dos utentes com diabetes- revisão baseada na evidência

Carla Longras, Luís Filipe Cavadas, Cátia L. Cordeiro

Resumo


Objetivo: Determinar o impacto da redução intensiva do c-LDL com estatina na morbimortalidade nos utentes com diabetes.

Métodos: Foi realizada uma pesquisa de artigos em inglês, publicados entre 1 de janeiro de 2008 e 19 de Julho de 2018, com os termos: Hydroxymethylglutaryl-CoA Reductase Inhibitors AND diabetes mellitus AND low density lipoprotein AND morbidity e Hydroxymethylglutaryl-CoA Reductase Inhibitors AND diabetes mellitus AND low density lipoprotein AND mortality. Para atribuição dos níveis de evidência e forças de recomendação, foi utilizada a escala SORT da American Family Physician.

Resultados: Dos 174 artigos identificados, 3 foram selecionados: 1 meta-análise e 2 ensaios clínicos. A meta-análise incluiu 14 estudos e demonstrou o benefício da terapêutica com estatina na redução da incidência de eventos vasculares major em cerca de 1/5 por mmol/L de redução do c-LDL. No ensaio clínico prospetivo a redução de eventos foi maior no grupo que atingia valores de c-LDL menores, no entanto, sem diferença na mortalidade por todas as causas. No ensaio clínico retrospetivo, o grupo a tomar estatina verificou uma redução do risco cardiovascular e mortalidade.

Conclusões: Várias foram as limitações encontradas nos estudos analisados, nomeadamente por população heterogénea, follow-up de curta duração e limitações na qualidade dos estudos. Parece haver benefício na toma de estatina para obter valores baixos de c-LDL na redução da morbilidade, associada a ocorrência de eventos cardiovasculares, e na mortalidade (Força de recomendação B). Contudo, existe evidência limitada sobre os valores alvo de c-LDL recomendados. 

 


Palavras-chave


Estatinas; diabetes mellitus; lipoproteína de baixa densidade; morbilidade; mortalidade.

Texto Completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.32385/rpmgf.v36i1.12574

Apontadores

  • Não há apontadores.


Copyright (c) 2020 Revista Portuguesa de Medicina Geral e Familiar