Abordagem familiar: quando, como e porquê? Um caso prático

Lisa Teresa Moreira, Ana Castro Rollo, Ricardo Torre, Maria Antónia Cruz

Resumo



Introdução: A abordagem familiar é uma importante componente da avaliação médica, em especial na medicina geral e familiar. Este caso pretende reforçar a sua importância e promover a sua utilização quando pertinente.
Descrição do caso: J., 14 anos, 9º ano de escolaridade. J. está incluído num meio familiar diferente da «família comum». Vive com os avós desde os 12 meses de vida, após o pai ter sido preso e a mãe ter negado as responsabilidades parentais. Esta situação tornou-se particularmente sensível nesta nova etapa de vida: a adolescência.
Comentário: A abordagem em quatro fases – suspeita e deteção de um possível problema, avaliação das características estruturais da família, avaliação da funcionalidade familiar e avaliação da rede social de apoio e dos recursos do utente – possibilitam uma avaliação global do utente e um ponto de partida para a terapia familiar. A utilização integrada da avaliação familiar na consulta possibilita identificar uma possível disfunção familiar e atuar na capacitação do utente para a resolução dos problemas.

Palavras-chave


Família; Abordagem familiar; Saúde familiar; Disfunção familiar.

Texto Completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.32385/rpmgf.v34i4.12482

Apontadores

  • Não há apontadores.


Copyright (c) 2018 Revista Portuguesa de Medicina Geral e Familiar