Estão os internos satisfeitos com o internato de Medicina Geral e Familiar?

Autores

  • Ana Azevedo Médica Interna de MGF, USF Sete Caminhos. ACeS Gondomar. Gondomar. Portugal
  • Brenda Domingues Médica Interna de MGF, UCSP Vale Formoso. ACeS Porto Oriental. Porto. Portugal.
  • Joana Moura Médica Interna de MGF, USF Ponte Velha. ACeS Grande Porto I. Santo Tirso. Portugal
  • Lúcia Santos Médica Interna de MGF, USF Sete Caminhos. ACeS Gondomar. Gondomar. Portugal

DOI:

https://doi.org/10.32385/rpmgf.v30i1.11240

Palavras-chave:

Grau de Satisfação, Internos, Internato de Medicina Geral e Familiar

Resumo

Objetivos: Determinar o grau de satisfação global dos internos de Medicina Geral e Familiar (MGF) da Zona Norte com o programa de formação específica (internato); Analisar a associação entre a satisfação global com o internato e diferentes variáveis relativas ao interno, ao orientador e ao programa de formação específica. Tipo de estudo: Estudo transversal com componente analítico, realizado entre setembro de 2011 e fevereiro de 2013. Local: Área geográfica abrangida pela Coordenação do Internato de MGF da Zona Norte. População: Internos de formação específica de MGF da Zona Norte. Métodos: Recolha de dados através da aplicação de um questionário de autopreenchimento voluntário, desenvolvido pelas autoras, enviado por correio eletrónico a todos os internos de MGF da Zona Norte (n=532). Foi feita a caracterização geral da população e avaliado o grau de satisfação com o internato através de uma escala tipo Likert com cinco itens. Resultados: Foram obtidas 189 respostas ao questionário, ao que corresponde uma taxa de resposta de 36%. Dos respondedores, 75% (n = 141) eram do género feminino e 85% (n = 160) tinham entre 26 e 30 anos de idade. Dos 189 internos, 78% (n = 148) estavam integrados em Unidades de Saúde Familiar (USF) e a maioria frequentava o segundo ano de formação (34%, n = 64). Em 76% dos casos (n = 143), a escolha por MGF foi primeira opção, sendo que 97% (n = 183) não tem intenção de repetir o exame de acesso à especialidade. A grande maioria dos internos de formação específica em MGF da Zona Norte estão satisfeitos ou muito satisfeitos com o internato (91%, n = 170), estando apenas 4% (n = 7) dos internos insatisfeitos ou muito insatisfeitos. A satisfação global com o internato teve uma correlação positiva com a satisfação em relação às variáveis «Escolha de MGF como primeira opção», «Relação com o orientador de formação», «Desempenho do orientador de formação», «Organização global do internato», «Duração do internato», «Duração dos estágios hospitalares obrigatórios», «Número de estágios de MGF» e «Duração dos estágios de MGF» (p = 0,001, p = 0,003, p = 0,010, p = 0,008, p < 0,001, p = 0,024, p = 0,015 e p = 0,045, respetivamente). Em relação às variáveis «Tempo despendido em atividades não clínicas para efeitos curriculares», verifica-se uma relação negativa com a satisfação global com o internato (p = 0,016). Conclusões: Os internos de MGF da Zona Norte estão satisfeitos com o seu programa de formação específica. A satisfação na relação com o orientador de formação e com o seu desempenho são dos aspetos que mais contribuíram para a satisfação global dos internos. Da mesma forma, a satisfação em relação à duração do programa de internato, em relação aos estágios de MGF e à organização global do programa de formação contribuíu de forma evidente para a satisfação global destes médicos. A relação entre a satisfação global e a satisfação com a duração dos estágios hospitalares obrigatórios é inconclusiva. Os internos mostram-se insatisfeitos com o tempo despendido em atividades não clínicas para efeitos curriculares.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2014-01-01

Como Citar

Azevedo, A., Domingues, B., Moura, J., & Santos, L. (2014). Estão os internos satisfeitos com o internato de Medicina Geral e Familiar?. Revista Portuguesa De Medicina Geral E Familiar, 30(1), 24–30. https://doi.org/10.32385/rpmgf.v30i1.11240