O processo da revelação: um caso de incesto

Cristina Nunes

Resumo



O incesto é um problema de saúde pública pouco consciencializado pela sociedade; existe, em particular, um elevado subdia-gnóstico pelos serviços de saúde. É um dos crimes menos denunciados e mais impunes e a revelação pela vítima é fundamental, embora rara e difícil. O médico de família encontra-se numa posição privilegiada para a sua abordagem.
Juno, 39 anos, criada pela família adotiva dos 6 meses aos 7 anos de idade e que, mantendo contacto com a família biológica, é vítima de incesto pelo irmão mais velho até aos 17 anos de idade. Após anos de seguimento clínico, descreve-se o processo moroso da revelação, associado a questões éticas e legais. A doente manifesta personalidade estado-limite, perturbação de stresse pós-traumático, disfunção familiar e social.
O processo terapêutico deve ser prolongado, multidisciplinar e abrangente (individual e familiar). A atitude do médico de família pode favorecer o tratamento pela sua atitude empática e por permitir o reconhecimento pela doente de que as suas emoções mal adaptativas da atualidade foram, no passado, uma resposta de sobrevivência ao incesto.

Palavras-chave


Incesto; Violência

Texto Completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.32385/rpmgf.v30i6.11403

Apontadores

  • Não há apontadores.


Copyright (c)