Desinfeção do cordão umbilical: revisão baseada na evidência

Manuel Barbosa, Sara Moreira, Sara Ferreira

Resumo



Objetivo: A laqueação e secção do cordão umbilical são procedimentos universais ao nascimento, marcando o início do processo de cicatrização do coto remanescente. Os cuidados ao coto umbilical, com vista à redução do risco infeccioso e morbimortalidade associada, variam com a tradição do país e a prática das diferentes unidades de saúde, persistindo controvérsia acerca dos melhores cuidados a instituir. O objetivo desta revisão é determinar, à luz da evidência atual, se a desinfeção do cordão umbilical contribui para uma redução da morbilidade perinatal dos recém-nascidos com parto em contexto hospitalar nos países desenvolvidos.
Fontes de dados: MEDLINE, National Guideline Clearinghouse, NICE Guidelines Finder, Canadian Medical Association Practice Guidelines Infobase, The Cochrane Library, DARE, Bandolier, sítios de medicina baseada na evidência e referências bibliográficas dos artigos selecionados.
Métodos de revisão: Foi feita uma pesquisa de normas de orientação clínica, meta-análises, revisões sistemáticas e ensaios clínicos aleatorizados. Foram utilizados os termos MeSH ‘Chlorhexidine’, ‘Disinfectants’ e ‘Umbilical cord’ e pesquisados artigos publicados desde agosto 2005 até agosto 2015, em inglês, castelhano e português. Para avaliação dos níveis de evidência e atribuição das forças de recomendação foi usada a escala Strength of recommendation taxonomy, da American Family Physicians.
Resultados: Da pesquisa efetuada foram encontrados 315 artigos, dos quais três cumpriam os critérios de inclusão: uma meta-análise, que revelou não haver diferenças significativas na incidência de onfalite com a aplicação de antisséptico comparando com placebo; e duas normas de orientação clínica, que referiam que a aplicação de antimicrobianos não é superior à lavagem e secagem do cordão umbilical para a prevenção de infeções e colonização bacteriana do cordão.
Conclusões: A evidência disponível não é suficiente para a recomendação de uso de antissépticos no cordão umbilical em contexto hospitalar nos países desenvolvidos (força de recomendação A). Neste contexto aconselha-se, portanto, apenas a lavagem e secagem do cordão. Contudo, existe ainda a necessidade de mais estudos de elevada qualidade (nomeadamente ensaios controlados e aleatorizados), de metodologia homogénea e amostras relevantes que suportem esta evidência.

Palavras-chave


Clorexidina; Desinfetantes; Cordão Umbilical

Texto Completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.32385/rpmgf.v33i1.12022

Apontadores

  • Não há apontadores.


Copyright (c) 2017 Revista Portuguesa de Medicina Geral e Familiar