Campanha de vacinação para a gripe sazonal das pessoas em situação de sem-abrigo na cidade de Lisboa: uma descrição da experiência no Inverno 2015/2016

Hugo Filipe Gonçalves Martins, Inês Venâncio, Bruno Pinto, Rui Neto Fernandes

Resumo


Introdução: As pessoas em situação de sem-abrigo apresentam uma elevada probabilidade de desenvolverem doenças crónicas, o que as predispõe a complicações graves caso sejam infetadas com a gripe. Os objetivos deste estudo transversal foram identificar os critérios de elegibilidade e avaliar o impacto da vacinação contra influenza sazonal de pessoas em situação de sem-abrigo de Lisboa durante uma campanha vacinal.

Material e métodos: A população alvo inclui pessoas em situação de sem-abrigo da região de Lisboa, no período compreendido entre 30 de novembro e 6 de dezembro de 2015. Todas as pessoas envolvidas deram o seu consentimento. Considerou-se significância estatística para valor de p inferior a 0,01.

Resultados: Das 818 pessoas em situação de sem-abrigo em Lisboa, 382 (47%) foram vacinadas para influenza na época 2015/16. Das 269 pessoas sem-abrigo seguidas, 179 (67%) eram portadoras de uma ou mais doenças crónicas, 68 (25%) tinham antecedentes clínicos de infeções respiratórias, mas apenas 19 (28%) tiveram esse diagnóstico durante o Inverno de 2015-2016. Na sequência desta campanha de vacinação verificou-se uma redução significativa das infeções respiratórias (p<0,01; OR=15,0; IC 5,4-42,3). Das pessoas vacinadas apenas três tiveram infeção por influenza A (H1N1) sem registos de morte. Identificou-se que 194 (72% de 269) eram elegíveis para vacinação. Considerando que se encontram identificadas 818 pessoas em situação de sem-abrigo na cidade de Lisboa poder-se-á extrapolar que, destas, 591 seriam elegíveis. Admite-se que não foram vacinadas mais de metade das pessoas em situação de sem-abrigo elegíveis da região de Lisboa.

Discussão e conclusões: É essencial reforçar as campanhas de vacinação contra a gripe na população em situação de sem-abrigo, procurando encontrar estratégias que facilitem o encaminhamento para consultas de vigilância nos cuidados de saúde primários, sobretudo se portadoras de doenças crónicas.


Palavras-chave


Vacinação; Gripe; Sem-abrigo; Lisboa

Texto Completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.32385/rpmgf.v37i1.12757

Apontadores

  • Não há apontadores.


Copyright (c) 2021 Revista Portuguesa de Medicina Geral e Familiar

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.