Papel do médico de família no diagnóstico e acompanhamento da paralisia supranuclear progressiva: um relato de caso

Autores

  • Sara Leite Unidade de Saúde Familiar de Anta - ACeS Espinho/Gaia http://orcid.org/0000-0002-5211-4304
  • Antonieta Barbosa Assistente Graduada de Medicina Geral e Familiar. USF Anta, ACeS Espinho/Gaia. Espinho, Portugal.
  • Carla Cardoso Médica Interna de Medicina Geral e Familiar. USF Anta, ACeS Espinho/Gaia. Espinho, Portugal.
  • Catarina Santos Assistente Graduada de Neurologia. Centro Hospitalar Entre Douro e Vouga, EPE. Santa Maria da Feira, Portugal.
  • Helena Milheiro Assistente Graduada de Medicina Geral e Familiar. USF Anta, ACeS Espinho/Gaia. Espinho, Portugal.

DOI:

https://doi.org/10.32385/rpmgf.v40i3.13314

Palavras-chave:

Doença neurodegenerativa, Paralisia supranuclear progressiva, Disartria, Oftalmoplegia supranuclear

Resumo

Introdução: A paralisia supranuclear progressiva (PSP) é uma doença neurodegenerativa, cuja prevalência é de 2-7casos/100.000 indivíduos. No entanto, dado o desafio diagnóstico, prevê-se que estes dados estejam subestimados e que muitos doentes não cheguem a ser diagnosticados.

Descrição do caso: Mulher de 69 anos, com hipertensão arterial e hipotiroidismo controlados, recorreu em dezembro/2018 a consulta aberta na sua USF por se sentir triste, com choro fácil e com falta de iniciativa associado a episódios de ansiedade. Pela presunção do diagnóstico de depressão iniciou sertralina. Em janeiro/2019, em consulta programada, o seu MF detetou um discurso pouco fluente e lentificação psicomotora, facto que a doente não reconhecia como um problema. Após exclusão de causas identificáveis e reversíveis que justificassem o quadro clínico decidiu-se fazer uma referenciação aos cuidados de saúde hospitalares de neurologia. Em março, em neurologia, foi identificada a presença de disartria e de reflexos osteotendinosos ligeiramente vivos, interpretados em provável contexto de uma doença neuromuscular, que foi posteriormente descartada pela eletromiografia, ressonância magnética cerebral e estudo analítico normais. Em junho, a doente acrescentava dificuldades executivas e de escrita e destacava-se a presença de apraxia e disfunção frontal, pelo que se colocou em hipótese a presença de uma doença neurodegenerativa, identificada como possível afasia progressiva primária por uma avaliação neuropsicológica. No entanto, em janeiro/2020 verificou-se um agravamento dos sintomas prévios, foi descrita a presença de quedas ocasionais não provocadas e identificou-se uma discreta limitação do olhar vertical superior que se associou finalmente ao diagnóstico definitivo de PSP. Atualmente a doente é seguida pelo seu MF no que respeita ao seu tratamento paliativo e apoio psicológico à doente e respetiva família.

Comentário: O MF é responsável pela prestação de cuidados continuados longitudinalmente ao doente, assim como pela gestão da doença que se apresenta de forma indiferenciada numa fase precoce da sua história natural, características que colocam o MF numa posição privilegiada para diagnosticar, acompanhar, intervir e referenciar nas situações como a que é apresentada no presente caso clínico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia Autor

Sara Leite, Unidade de Saúde Familiar de Anta - ACeS Espinho/Gaia

Médica interna de 1º ano na formação Especifica de MGF na USF Anta - ACeS Espinho/Gaia. 

Doutorada em Ciências Cardiovasculares.

Professora Auxiliar na FMUP.

Referências

Höglinger GU, Respondek G, Stamelou M, Kurz C, Josephs KA, Lang AE, et al. Clinical diagnosis of progressive supranuclear palsy: the movement disorder society criteria. Mov Disord. 2017;32(6):853-64.

Schrag A, Ben-Shlomo Y, Quinn NP. Prevalence of progressive supranuclear palsy and multiple system atrophy: a cross-sectional study. Lancet. 1999;354(9192):1771-5.

Williams DR, de Silva R, Paviour DC, Pittman A, Watt HC, Kilford L, et al. Characteristics of two distinct clinical phenotypes in pathologically proven progressive supranuclear palsy: Richardson's syndrome and PSP-parkinsonism. Brain. 2005;128(Pt 6):1247-58.

Respondek G, Stamelou M, Kurz C, Ferguson LW, Rajput A, Chiu WZ, et al. The phenotypic spectrum of progressive supranuclear palsy: a retrospective multicenter study of 100 definite cases. Mov Disord. 2014;29(14):1758-66.

Armstrong MJ. Progressive supranuclear palsy: an update. Curr Neurol Neurosci Rep. 2018;18(3):12.

Steele JC, Richardson JC, Olszewski J. Progressive supranuclear palsy: a heterogeneous degeneration involving the brain stem, basal ganglia and cerebellum with vertical gaze and pseudobulbar palsy, nuchal dystonia and dementia. Arch Neurol. 1964;10(4):333-59.

Golbe LI. Progressive supranuclear palsy. Semin Neurol. 2014;34(2):151-9.

Cubaka VK, Dyck C, Dawe R, Alghalyini B, Whalen-Browne M, Cejas G, et al. A global picture of family medicine: the view from a WONCA storybooth. BMC Fam Pract. 2019;20(1):129.

Giagkou N, Höglinger GU, Stamelou M. Progressive supranuclear palsy. Int Rev Neurobiol. 2019;149:49-86.

dell'Aquila C, Zoccolella S, Cardinali V, de Mari M, Iliceto G, Tartaglione B, et al. Predictors of survival in a series of clinically diagnosed progressive supranuclear palsy patients. Parkinsonism Relat Disord. 2013;19(11):980-5.

Liepelt I, Gaenslen A, Godau J, Di Santo A, Schweitzer KJ, Gasser T, et al. Rivastigmine for the treatment of dementia in patients with progressive supranuclear palsy: clinical observations as a basis for power calculations and safety analysis. Alzheimers Dement. 2010;6(1):70-4.

Downloads

Publicado

2024-07-08

Como Citar

Leite, S., Barbosa, A., Cardoso, C., Santos, C., & Milheiro, H. (2024). Papel do médico de família no diagnóstico e acompanhamento da paralisia supranuclear progressiva: um relato de caso. Revista Portuguesa De Medicina Geral E Familiar, 40(3), 306–12. https://doi.org/10.32385/rpmgf.v40i3.13314

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)