Avaliação da desprescrição nos cuidados de saúde primários, sob a perspetiva dos médicos

Autores

  • Mariana B. Oliveira USF Foz do Minho, ULS do Alto Minho. Caminha, Portugal.
  • Catarina Campos USF Foz do Minho, ULS do Alto Minho. Caminha, Portugal.
  • Joana Lascasas USF Terras da Maia, ACeS Grande Porto III – Maia/Valongo. Maia, Portugal.
  • Vera Ribeiro da Silva USF Foz do Minho, ULS do Alto Minho. Caminha, Portugal.

DOI:

https://doi.org/10.32385/rpmgf.v39i6.13760

Palavras-chave:

Desprescrição, Polimedicação, Multimorbilidade, Cuidados de saúde primários, Médico de família

Resumo

Introdução: A desprescrição terapêutica consiste na identificação e proposta de descontinuação de fármacos cujos danos superam os benefícios, sendo esta complexa gestão geralmente atribuída ao médico de família (MF).

Objetivos: Determinar a autoperceção dos MF quanto às suas práticas de desprescrição, bem como as barreiras e fatores facilitadores identificados pelos mesmos. Como objetivo secundário pretendeu-se a sensibilização dos MF para a desprescrição terapêutica.

Método: Estudo observacional e descritivo, no qual foi aplicado um questionário a internos de 3º e 4º anos e MF num Agrupamento de Centros de Saúde da região norte de Portugal. Foi aprovado pela Comissão de Ética e a análise estatística realizada no Microsoft Excel®.

Resultados: Obtiveram-se 63 respostas, sendo 68,3% mulheres e a idade média 42,8 anos. Dos inquiridos, 81% eram especialistas e 57,1% e 14,3% tinham formação em cuidados paliativos e geriatria, respetivamente. Sobre a desprescrição, 98% observavam frequentemente doentes com multimorbilidade e 97% com polimedicação. No entanto, 49,2% da amostra referiu aplicar a desprescrição apenas ocasionalmente. Os fármacos mais frequentemente desprescritos foram anti-inflamatórios não esteroides, estatinas e bifosfonatos. As características do utente consideradas muito importantes para a desprescrição foram: qualidade (79,4%) e esperança de vida (71,4%), deterioração cognitiva (60%) e dependência física (49,2%). Os riscos (65,1%) e benefícios do fármaco (52,4%) e a existência de guidelines (46%) foram considerados os fatores (alheios ao doente) mais importantes para a prática da desprescrição. A barreira mais frequentemente observada foi o tempo limitado para revisão terapêutica (41,3%), enquanto a má adesão terapêutica foi o fator facilitador reconhecido ocasionalmente pela maioria (69,8%).

Conclusão: Doentes com critérios de desprescrição são frequentemente reconhecidos pelos MF, escasseando ainda alguma proatividade nesta prática. A existência de guidelines foi considerada um fator muito importante e o tempo limitado uma barreira frequente. Assim, criar linhas orientadoras e consultas específicas poderão ser estratégias de melhoria.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Gonçalves F. Deprescription in advanced cancer patients. Pharmacy. 2018;6(3):88.

Oliveira L, Ferreira MO, Rola A, Magalhães M, Gonçalves JF. Deprescription in advanced cancer patients referred to palliative care. J Pain Palliat Care Pharmacother. 2016;30(3):201-5.

O’Neill P, Matthews S. Developing local guidelines on deprescribing in end-of-life care. Nurs Times. 2021;117(6):27-31.

Lyu H, Xu T, Brotman D, Mayer-Blackwell B, Cooper M, Daniel M, et al. Overtreatment in the United States. PLoS One. 2017;12(9):e0181970.

Doherty AJ, Boland P, Reed J, Clegg AJ, Stephani AM, Williams NH, et al. Barriers and facilitators to deprescribing in primary care: a systematic review. BJGP Open. 2020;4(3):bjgpopen.20X101096.

Lima AO, Marcos-Marcos J, Marquina-Marquez A, González-Vera MA, Matas-Hoces A, Bermúdez-Tamayo C. Evidence for deprescription in primary care through an umbrella review. BMC Fam Pract. 2020;21(1):100.

Jungo KT, Mantelli S, Rozsnyai Z, Missiou A, Kitanovska BG, Weltermann B, et al. General practitioners’ deprescribing decisions in older adults with polypharmacy: a case vignette study in 31 countries. BMC Geriatr. 2021;21(1):19.

Mantelli S, Jungo KT, Rozsnyai Z, Reeve E, Luymes CH, Poortvliet RK, et al. How general practitioners would deprescribe in frail oldest-old with polypharmacy: the LESS study. BMC Fam Pract. 2018;19(1):169.

Remondes SO, Acesso aos cuidados paliativos dos doentes não oncológicos [dissertation]. Porto: Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar, Universidade do Porto; 2015. Available from: https://hdl.handle.net/10216/82450

Santos P, Sá AB, Santiago L, Hespanhol A. A árvore da WONCA: tradução e adaptação cultural para português [The WONCA tree: Portuguese translation and cultural adaptation]. Rev Port Med Geral Fam. 2021;37(1):28-35. Portuguese

Irving G, Neves AL, Dambha-Miller H, Oishi A, Tagashira H, Verho A, et al. International variations in primary care physician consultation time: a systematic review of 67 countries. BMJ Open. 2017;7(10):e017902.

PORDATA. Índice de envelhecimento [homepage]. Fundação Francisco Manuel dos Santos; 2021 [cited 2013 Feb 24]. Available from: https://www.pordata.pt/Europa/%C3%8Dndice+de+envelhecimento-1609

Downloads

Publicado

2023-12-22

Como Citar

B. Oliveira, M., Campos, C., Lascasas, J., & Ribeiro da Silva, V. (2023). Avaliação da desprescrição nos cuidados de saúde primários, sob a perspetiva dos médicos. Revista Portuguesa De Medicina Geral E Familiar, 39(6), 563–81. https://doi.org/10.32385/rpmgf.v39i6.13760