Medicamentos iSGLT2 na diabetes tipo 2: quão eficientes são no controlo analítico e na antropometria?

Autores

  • David Saldanha Clínica Universitária de Medicina Geral e Familiar, Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra. Coimbra, Portugal | Centro de Estudos e Investigação em Saúde da Universidade de Coimbra (CEISUC). Coimbra, Portugal. https://orcid.org/0000-0002-6309-6826
  • Luiz Miguel Santiago Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra Clínica Universitária de Medicina Geral e Familiar da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra USF Topázio, ACES Baixo Mondego http://orcid.org/0000-0002-9343-2827
  • Barbara Oliveiros Laboratório de Bioestatística e Informática Médica, iCBR – Coimbra Institute for Clinical and Biomedical Research, Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra. Coimbra, Portugal.
  • João Pestana USF Topázio, ACeS Baixo Mondego. Coimbra, Portugal. https://orcid.org/0000-0003-3522-8809

DOI:

https://doi.org/10.32385/rpmgf.v40i1.13769

Palavras-chave:

Diabetes mellitus tipo 2, Inibidores da SGLT2, Índice de massa corporal, Perímetro abdominal, Controlo

Resumo

Objetivo: Avaliar a efetividade dos medicamentos inibidores da SGLT2 (iSGLT2) no controlo de pessoa com diabetes tipo 2 (PDM2) pelos valores de hemoglobina A1c (HbA1c), índice de massa corporal (IMC) e perímetro abdominal (PA) após cinco anos de seguimento.

Métodos: Estudo observacional de coorte retrospetiva multicêntrica, de 2017 a 2022, efetuado em 2023. Analisaram-se os dados fornecidos pela Administração Regional de Saúde (ARS) do Centro de PDM2 (classificação T90 da ICPC-2) dos Agrupamentos de Centros de Saúde (ACeS) Baixo Mondego e Dão Lafões, de PMD2 escolhidas aleatoriamente e medicadas em 2017 com iSGLT2. Dados de PDM2 em 2017 e 2022, para a data mais próxima do fim do respetivo ano para HbA1c, IMC e PA. Controlo de DM2 para valores de HbA1c: ≤7% e ≤8%.

Resultados: Amostra de n=264 pessoas, 59,0% (n=156) homens. Verificaram-se variações de 2017 para 2022 na HbA1c de 7,62±1,21 para 7,56±1,12 (∆=-0,009) (p=0,951), no IMC de 31,65±8,72 para 29,90±4,56 (∆=-0,056) (p<0,001) e no PA de 104,90±13,64 para 105,58± 11,11 (∆=+0,007) (p=0,424). Frequência de PMD2 controladas, para HbA1c ≤7% e <65 anos, de 31,1% em 2017 e de 27,1% em 2022, ∆=-12,9 (p>0,05) e para HbA1c ≤8% de 74,8% em 2017 e de 73,3% em 2022, ∆=-0,02 (p=0,002).

Discussão: Comparando com valores de um estudo prévio, com seguimento a dois anos, verificaram-se reduções em HbA1c e IMC e aumento do PA, provavelmente pelo facto de a sarcopenia reduzir o IMC, que o aumento do PA não contrabalança. A prescrição de iSGLT2 não reduziu a prevalência de PMD2.

Conclusão: Verificou-se efetividade dos iSGLT2 na redução da HbA1c e do IMC, ao contrário do PA e da percentagem de PMDM2 controladas pelo valor de HbA1c.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia Autor

Luiz Miguel Santiago, Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra Clínica Universitária de Medicina Geral e Familiar da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra USF Topázio, ACES Baixo Mondego

Luiz Miguel de Mendonça Soares Santiago é Licenciado em Medicina pela Universidade de Coimbra desde 1979, Mestre em Saúde Pública pela Universidade de Coimbra desde 2006 e Doutorado por unanimidade com distinção e louvor, pela Universidade de Coimbra, na Especialidade de Sociologia Médica, ramo de Medicina Preventiva e Comunitária desde 11/11/2009.

É desde1/7/2017 Professor Associado da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra, regendo as Unidades Curriculares de MISP IV, 3º Ano e de Medicina Geral e Familiar, 5º Ano.

Desde 30 de Janeiro de 2018 tem o título de "Agregado".

Médico, especialista em Medicina Geral e Familiar, é Consultor com o Grau de Assistente Graduado Sénior da Carreira de Medicina Geral e Familiar desde 2002, sendo orientador no Internato Complementar de Medicina Geral e Familiar desde 2006, tendo exercido na Unidade de Saúde Familiar Topázio em Coimbra, onde ainda continua actividade clínica, agora reduzida.

Professor Associado Convidado da Universidade da Beira Interior, onde é regente das cadeiras de CSP I, II e III entre 2011 e 2017.

Desde 2014 até 2017 foi Professor Adjunto Convidado da Coimbra Health Scholl lecionando Patologia Geral.   

Membro da Academia Europeia de Professores em Medicina Geral e Familiar (EURACT) é orientador de Teses de Mestrado Integrado e de Mestrado Pré-Bolonha bem como de Doutoramento, na Universidade de Coimbra (2) e na Universidade da Beira Interior (6).

É membro da Comissão de Ética da ARS do Centro.

Tem vasta bibliografia publicada individualmente e em co-autoria em revistas nacionais e internacionais com “revisores-par” e indexadas (27 artigos).

Desde março de 2017 é membro investigador do CEISUC, FEUC.

Em Novembro de 2017 é eleito sócio correspondente da Academia Nacional de Medicina.

Aguarda a marcação de Provas de Agregação a serem prestadas na Universidade da Beira Interior.

Referências

World Health Organization. Improving diabetes outcomes for all, a hundred years on from the discovery of insulin: report of the Global Diabetes Summit co-hosted by the World Health Organization and the Government of Canada [homepage]. Geneva: WHO; 2021. Available from: https://www.who.int/publications/i/item/9789240038943

Cho NH, Shaw JE, Karuranga S, Huang Y, Fernandes JD, Ohlrogge AW, et al. IDF diabetes atlas: global estimates of diabetes prevalence for 2017 and projections for 2045. Diabetes Res Clin Pract. 2018;138:271-81.

Raposo JF. Diabetes: factos e números 2016, 2017 e 2018. Rev Port Diabetes. 2020;15(1):19-27.

International Diabetes Federation. IDF diabetes atlas [homepage]. 10th ed. IDF; 2021. Available from: https://diabetesatlas.org/atlas/tenth-edition/

ElSayed NA, Aleppo G, Aroda VR, Bannuru RR, Brown FM, Bruemmer D, et al. 2. Classification and diagnosis of diabetes: standards of care in diabetes—2023. Diabetes Care. 2023;46(Suppl 1):S19-40.

ElSayed NA, Aleppo G, Aroda VR, Bannuru RR, Brown FM, Bruemmer D, et al. 9. Pharmacologic approaches to glycemic treatment: standards of care in diabetes—2023. Diabetes Care. 2023;46(Suppl 1):S140-57.

Lajara R. The potential role of sodium glucose co-transporter 2 inhibitors in combination therapy for type 2 diabetes mellitus. Expert Opin Pharmacother. 2014;15(17):2565-85.

Artasensi A, Pedretti A, Vistoli G, Fumagalli L. Type 2 diabetes mellitus: a review of multi-target drugs. Molecules. 2020;25(8):1987.

Cosentino F, Grant PJ, Aboyans V, Bailey CJ, Ceriello A, Delgado V, et al. 2019 ESC guidelines on diabetes, pre-diabetes, and cardiovascular diseases developed in collaboration with the EASD. Eur Heart J. 2020;41(2):255-323.

European Medicines Agency. SGLT2 inhibitors: referral [homepage]. Amsterdam: EMA; 2016 Feb. Available from: https://www.ema.europa.eu/en/medicines/human/referrals/sglt2-inhibitors

ElSayed NA, Aleppo G, Aroda VR, Bannuru RR, Brown FM, Bruemmer D, et al. 6. Glycemic targets: standards of care in diabetes-2023. Diabetes Care. 2023;46(Suppl 1):S97-110.

Portaria n.º 212/2017, de 19 de julho. Diário da República. I Série;(138).

Zinman B, Wanner C, Lachin JM, Fitchett D, Bluhmki E, Hantel S, et al. Empagliflozin, cardiovascular outcomes, and mortality in type 2 diabetes. N Engl J Med. 2015;373(22):2117-28.

Neal B, Perkovic V, Mahaffey KW, de Zeeuw D, Fulcher G, Erondu N, et al. Canagliflozin and cardiovascular and renal events in type 2 diabetes. N Engl J Med. 2017;377(7):644-57.

Zhang XL, Zhu QQ, Chen YH, Li XL, Chen F, Huang JA, et al. Cardiovascular safety, long-term noncardiovascular safety, and efficacy of sodium-glucose cotransporter 2 inhibitors in patients with type 2 diabetes mellitus: a systemic review and meta-analysis with trial sequential analysis. J Am Heart Assoc. 2018;7(2):e007165.

Lima Jr JC, Moura-Assis A, Cintra RM, Quinaglia T, Velloso LA, Sposito AC. Central role of obesity in endothelial cell dysfunction and cardiovascular risk. Rev Assoc Med Bras. 2019;65(1):87-97.

Sociedade Portuguesa de Diabetologia. Tratamento da diabetes tipo 2 [homepage]. Lisboa: SPD; [s.d.]. Available from: https://guidelines.spd.pt/#/

American Diabetes Association. Understanding type 2 diabetes [homepage]. Arlington: ADA; [s.d.]. Available from: https://diabetes.org/diabetes/type-2

Pinto MM. Diabetes: the influence of pharmacological treatment in disease control and underlying obesity [dissertation]. Coimbra: Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra; 2022. Available from: https://estudogeral.sib.uc.pt/handle/10316/102412

Prazeres F, Santiago LM. Prevalence of multimorbidity in the adult population attending primary care in Portugal: a cross-sectional study. BMJ Open. 2015;25(9):e009287.

Simões PA, Santiago LM, Maurício K, Simões JA. Prevalence of potentially inappropriate medication in the older adult population within primary care in Portugal: a nationwide cross-sectional study. Patient Prefer Adherence. 2019;13:1569-76.

Downloads

Publicado

2024-02-28

Como Citar

Paraíso Saldanha, D., Santiago, L. M., Oliveiros, B., & Pestana, J. (2024). Medicamentos iSGLT2 na diabetes tipo 2: quão eficientes são no controlo analítico e na antropometria?. Revista Portuguesa De Medicina Geral E Familiar, 40(1), 41–7. https://doi.org/10.32385/rpmgf.v40i1.13769

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)

1 2 3 4 > >>