Hiperaldosteronismo primário: um relato de caso

Autores

  • Helena Ramalho Araújo USF São João do Porto, ACeS Porto Ocidental. Porto, Portugal.
  • Joana Pinto USF São João do Porto, ACeS Porto Ocidental. Porto, Portugal.

DOI:

https://doi.org/10.32385/rpmgf.v39i6.13792

Palavras-chave:

Hiperaldosteronismo primário, Hipertensão, Relato de caso

Resumo

Introdução: A HTA secundária, responsável por 10% dos casos de HTA, inclui causas como o hiperaldosteronismo primário. Pretende-se alertar para a importância do despiste de causas secundárias de hipertensão quando se observam sinais sugestivos, como a ausência de controlo tensional com três fármacos, entre os quais um diurético.

Descrição do caso: Doente de 75 anos, do sexo feminino, com hipertensão arterial, dislipidemia, doença renal crónica e hipocalémia. Recorreu a uma consulta na sua Unidade de Saúde Familiar, na qual apresentou tensões elevadas. Os exames pedidos mostraram aumento dos níveis plasmáticos de aldosterona e renina, hipocalemia e um adenoma da glândula suprarrenal. Pela suspeita de hiperaldosteronismo primário, a doente foi referenciada para consulta de endocrinologia, na qual foi confirmado o diagnóstico. Realizou exérese do adenoma, encontrando-se atualmente normotensa.

Comentário: Este caso demonstra como, perante um doente medicado e com mau controlo tensional, deve ser considerada a hipótese de hipertensão secundária, pois a correção da causa pode levar à normalização tensional e diminuição do risco cardiovascular.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografias Autor

Helena Ramalho Araújo, USF São João do Porto, ACeS Porto Ocidental. Porto, Portugal.

Mestrado Integrado em Medicina no Instituto de Biomédicas de Abel Salazar de 2012 a 2018

Internato de Formação Geral no Hospital de São João em de 1/0172019 a 31/12/2019

Internato de Formação Específica em Medicina Geral e Familiar na USF São João do Porto (ACeS Porto Ocidental) de Janeiro de 2020 até ao presente

Joana Pinto, USF São João do Porto, ACeS Porto Ocidental. Porto, Portugal.

Interna do 4º ano de Formação Específica em Medicina Geral e Familiar 

Referências

Kline GA, Prebtani AP, Leung AA, Schiffrin EL. Primary aldosteronism: a common cause of resistant hypertension. CMAJ. 2017;189(22):E773-8.

Williams B, Mancia G, Spiering W, Rosei SE, Azizi M, Burnier M, et al. 2018 ESC/ESH Guidelines for the management of arterial hypertension. Eur Heart J. 2018;39(33):3021-104.

Charles L, Triscott J, Dobbs B. Secondary hypertension: discovering the underlying cause. Am Fam Phys. 2017;96(7):453-61.

Heerspink HJ, Stefánsson BV, Correa-Rotter R, Chertow GM, Greene T, Hou FF, et al. Dapagliflozin in patients with chronic kidney disease. N Engl J Med. 2020;383(15):1436-46.

Hundemer GL, Vaidya A. Primary aldosteronism diagnosis and management: a clinical approach. Endocrinol Metab Clin North Am. 2019;48(4):681-700.

Allen J, Gay B, Crebolder H, Heyrman J, Svab I, Ram P, et al. A definição Europeia de medicina geral e familiar (clínica geral/medicina familiar) [The European definition of family medicine (general practice/family medicine)]. Rev Port Clin Geral. 2005;21(5):511-6. Portuguese

Downloads

Publicado

2023-12-22

Como Citar

Ramalho Araújo, H., & Pinto, J. (2023). Hiperaldosteronismo primário: um relato de caso. Revista Portuguesa De Medicina Geral E Familiar, 39(6), 588–91. https://doi.org/10.32385/rpmgf.v39i6.13792