A hipertensão arterial e o exercício físico: elementos para uma prescrição médica

José Pedro Marques, João Páscoa Pinheiro, Manuel Teixeira Veríssimo, Domingos Ramos

Resumo



O aumento dos níveis de atividade física está associado a benefícios globais na saúde do indivíduo e meta-análises recentes mostram que o exercício físico pode ter uma eficácia na redução da pressão arterial comparável à terapêutica anti-hipertensora de primeira linha.
Tradicionalmente considerava-se que o efeito anti-hipertensor do exercício físico era exclusivo do exercício de endurance e que o exercício de resistência, nomeadamente na sua vertente isométrica, seria prejudicial. Trabalhos publicados nos últimos anos parecem contrariar esta suposição. A evidência disponível é escassa mas aponta para que possa vir a desempenhar um papel na prevenção primária da hipertensão. Está também demonstrada a sua capacidade de influenciar positivamente outros fatores de risco cardiovascular como são a hipertrigliceridémia e o excesso de peso.
O exercício físico assume um papel na prevenção primária e secundária da hipertensão. Na generalidade dos doentes, os benefícios associados à sua prática ultrapassam os potenciais riscos. Nos indivíduos em que estes riscos não sejam desprezáveis deve haver lugar a uma avaliação médica que permita a prescrição de um programa de exercício seguro e orientado para o paciente.

Palavras-chave


Hipertensão Arterial; Exercício Físico; Atividade Física

Texto Completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.32385/rpmgf.v31i1.11431

Apontadores

  • Não há apontadores.


Copyright (c)