O papel do médico de família no diagnóstico e seguimento dos doentes com declínio cognitivo e demência

Rui Pereira Alves, Ana Isabel Caetano

Resumo



Com o crescimento da população idosa assiste-se a um aumento da prevalência de patologias comuns neste grupo, em especial a demência.
Estima-se que a prevalência da demência na população da Europa Ocidental acima dos 60 anos seja 7,2%.
A entrevista clínica ao doente, familiares e cuidadores visa a procura de alterações cognitivas e suas consequências no dia-a-dia do doente, assim como a pesquisa de sintomas que orientem para determinada etiologia da doença. Na entrevista clínica podemos utilizar testes pré-definidos como o Mini Mental State Examination que avalia o estado mental do doente, e o questionário sobre actividades funcionais para avaliar as repercussões funcionais na vida do doente.
O pedido de exames auxiliares de diagnóstico deve ser criterioso e orientado pela entrevista clínica e exame objectivo.
A referenciação para os cuidados secundários de saúde é importante para se estabelecer o diagnóstico e planear a terapêutica.
Deve ser mantida uma boa comunicação entre os vários intervenientes, de forma a podermos acompanhar e gerir o plano terapêutico. Deve ser dada especial atenção aos familiares e cuidadores destes doentes, uma vez que estes apresentam um risco aumentado de determinadas patologias, como a depressão.
Um correcto e rápido diagnóstico das causas de demência, uma atempada referenciação e uma abordagem pluridisciplinar, focada no próprio, na doença e na família, permitem uma melhor gestão do doente com demência.

Palavras-chave


Demência; Cuidados Primários; Cuidadores; Tratamento

Texto Completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.32385/rpmgf.v26i1.10715

Apontadores

  • Não há apontadores.


Copyright (c)