Intoxicação por metotrexato: relato de caso

Ana Mafalda Ventura, Maria Paula Fernandes, Fátima Franco, Ana Luísa Gomes

Resumo


Introdução: Os medicamentos de alerta máximo têm um potencial de causar dano ao doente em caso de utilização incorreta, devido à gravidade dos seus efeitos adversos. O metotrexato (MTX) é um antimetabolito frequentemente utilizado no tratamento de doenças reumatológicas e um exemplo de medicamento de alerta máximo.  

Descrição de caso: Apresenta-se o caso de um doente de 64 anos que recorreu ao médico de família por quadro de disfagia, sensação de globus faríngeo, lesões cutâneas eritematosas pruriginosas e halitose. À observação apresentava extensa mucosite oral com edema da orofaringe. Após revisão terapêutica constatou-se que, por erro de interpretação, estaria a fazer diariamente 17,5mg de MTX com pausa semanal. Foi então referenciado ao serviço de urgência para observação por ORL e dermatologia e investigação adicional do quadro, nomeadamente de eventual toxicidade medular.    

Comentário: A forma mais comum de toxicidade por MTX é a sobredosagem acidental pelo doente, geralmente com efeitos secundários graves, podendo mesmo ser fatal. Este caso permite refletir sobre alguns aspetos importantes na segurança do medicamento com este tipo de fármacos.


Palavras-chave


Intoxicação; Metotrexato; Medicamentos de alerta máximo; Segurança na medicação

Texto Completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.32385/rpmgf.v36i6.12678

Apontadores

  • Não há apontadores.


Copyright (c) 2020 Revista Portuguesa de Medicina Geral e Familiar