Eficácia dos corticoides orais no alívio dos sintomas da síndroma do canal cárpico: qual a evidência atual?

Nuno Teles Pinto, João Soares Teles, Vânia Ferreira Fernandes, Maria João Serra

Resumo


Introdução: A síndroma do túnel cárpico (STC) é causada pela compressão do nervo mediano no seu trajeto através do túnel cárpico e é a neuropatia mais frequente do membro superior.

Objetivo: Rever e analisar a evidência atual sobre a eficácia dos corticoides orais no alívio dos sintomas em pacientes com síndroma do túnel cárpico.

Material e métodos: Pesquisa de guidelines (GL), ensaios clínicos aleatorizados e controlados (ECA), revisões sistemáticas (RS) e meta-análises (MA), publicadas entre 2009 e 2019, nas bases de dados e sítios de medicina baseada na evidência da PubMed, da Cochrane Library, DARE, Bandolier, TRIP Database, BMJ Evidence-Based Medicine, National Guideline Clearinghouse, NICE, Canadian Medical Association Practice Guidelines Infobase e Primary Care Clinical Practice Guidelines, utilizando-se os descritores MeSH: ‘carpal tunnel syndrome’ e ‘corticosteroids’. Foi aplicada a escala Strength of Recommendation Taxonomy (SORT), da American Academy of Family Physicians, para atribuição dos níveis de evidência (NE) e das forças de recomendação (FR).

Resultados: Dos 172 artigos devolvidos da pesquisa efetuada foram selecionados seis: um ECA, quatro RS e uma norma de orientação clínica (NOC). A eficácia dos corticoides orais a curto-médio prazo no alívio sintomático da STC é evidenciada por vários ECA e RS metodologicamente bem concebidos. Na maioria dos estudos a administração oral de 20mg de prednisolona por duas semanas conduz ao alívio temporário dos sintomas.

Conclusões: A corticoterapia oral pode ser usada no alívio temporário dos sintomas do STC a curto prazo, num regime de 20mg diários de prednisolona durante duas semanas (SORT A). O seu uso no tratamento a médio e a longo prazo apresenta um nível de evidência mais baixo (SORT B).


Palavras-chave


Síndroma do túnel cárpico; Corticosteroides

Texto Completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.32385/rpmgf.v37i2.12763

Apontadores

  • Não há apontadores.


Copyright (c) 2021 Revista Portuguesa de Medicina Geral e Familiar

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.