Avaliação da qualidade de relação médico-doente no Nordeste Transmontano

Autores

  • Joana Gomes da Silva Unidade Local de Saúde do Nordeste - UCSP Mirandela II http://orcid.org/0000-0003-0257-3593
  • Sofia Rodrigues Médica Interna de Medicina Geral e Familiar. UCSP Miranda do Douro, ULS do Nordeste. Miranda do Douro, Portugal.
  • Bárbara Alexandre Médica Interna de Medicina Geral e Familiar. UCSP Mirandela II, ULS do Nordeste. Mirandela, Portugal.
  • Fátima Monteiro Médica Interna de Medicina Geral e Familiar. UCSP Torre de Moncorvo, ULS do Nordeste. Torre de Moncorvo, Portugal.
  • Karolina Mohosh Médica Interna de Medicina Geral e Familiar. UCSP Miranda do Douro, ULS do Nordeste. Miranda do Douro, Portugal.
  • Sara Carlos Médica Interna de Medicina Geral e Familiar. UCSP Sé, ULS do Nordeste. Bragança, Portugal.

DOI:

https://doi.org/10.32385/rpmgf.v40i3.13490

Palavras-chave:

Empatia, Relação médico-doente, Comunicação em MGF, Abordagem holística, Medicina geral e familiar

Resumo

Introdução:  O médico de família desenvolve uma abordagem centrada na pessoa, orientada para o indivíduo, a família e a comunidade em que se insere, sendo a empatia a chave-mestra desta relação.

Objetivos: Compreender a relação médico-doente no contexto dos cuidados de saúde primários (CSP) do Nordeste Transmontano.

Métodos: Foi realizado um estudo descritivo com uma amostra de utentes de CSP. Os dados demográficos (sexo biológico – classificação binária, idade, concelho de residência e escolaridade), perguntas acerca da perceção dos CSP e a aplicação da Escala de Empatia de Jefferson (JSPPPE-VP) foram recolhidos através de uma plataforma online, recorrendo à divulgação pelas redes sociais, e em formato físico nos CSP da Unidade Local de Saúde do Nordeste. A análise estatística descritiva foi realizada com recurso ao software IBM SPSS® Statistics.

Resultados: A amostra incluiu 584 indivíduos (idade mediana: 45 anos), maioritariamente mulheres (67,47%), com um nível de escolaridade não graduado (57,71%). A maioria dos inquiridos (75,51%) revela que o seu médico de família é a primeira pessoa a quem recorrem quando têm um problema de saúde, considerando que este tem as capacidades necessárias para a melhor orientação dos seus problemas de saúde (69,52%). Relativamente à acessibilidade, 61,30% e 60,96% considera, respetivamente, que o acesso à marcação de consulta e esclarecimento de dúvidas pontuais é fácil. Dos inquiridos, 22,95% discorda do tempo médio de consulta praticado (20 minutos), defendendo uma duração de 30 minutos. Quando aplicada a JSPPPE-VP, cerca de 50,00% dos indivíduos responderam que estão bastante ou totalmente de acordo com as afirmações que se encontram ao longo de toda a escala.

Conclusões: A amostra obtida revela uma satisfação global relativamente à prestação, acessibilidade e qualidade dos serviços, bem como à duração da consulta. Além disso, pode-se concluir que existe uma elevada satisfação com a empatia do médico de família.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

World Health Organization. Cuidados de saúde primários [homepage]. Geneva: WHO; 2023 Nov 15. Available from: https://www.who.int/world-health-day/world-health-day-2019/fact-sheets/details/primary-health-care

Ordem dos Médicos. Perfil de competências do especialista em medicina geral e familiar [homepage]. Lisboa: OM; 2019 Aug 28 [cited 2021 Mar 21]. Available from: https://ordemdosmedicos.pt/perfil-de-competencias-do-especialista-em-medicina-geral-e-familiar/

Santos P, Sá AB, Santiago L, Hespanhol A. A árvore da WONCA: tradução e adaptação cultural para português [The WONCA tree: Portuguese translation and cultural adaptation]. Rev Port Med Geral Fam. 2021;37(1):28-35. Portuguese

Borrell-Carrió F, Suchman AL, Epstein RM. The biopsychosocial model 25 years later: principles, practice and scientific inquiry. Ann Fam Med. 2004;2(6):576-82.

Derksen F, Bensing J, Lagro-Janssen A. Effectiveness of empathy in general practice: a systematic review. Br J Gen Pract. 2013;63(606):e76-84.

Frankenhaeuser M. A biopsychosocial approach to work life issues. Int J Health Serv. 1989;19(4);747-58.

Pagé MG, Fortier M, Ware MA, Choinière M. As if one pain problem was not enough: prevalence and patterns of coexisting chronic conditions and their impact on treatment options. J Pain Res. 2018;11:237-54.

Gagliese L, Gauthier LR, Narain N, Freedman T. Pain, aging and dementia: towards a biopsychosocial model. Prog Neuropsychopharmacol Biol Psychiatry. 2018;87(Pt B):207-15.

Cardoso RM. Competências clínicas de comunicação. Porto: Afrontamento; 2018. ISBN 9789899795303

Duff-Brown B. How growing time constrains impact primary care physicians and patients [homepage]. Freeman Spogli Institute for International Studies of the Stanford University; 2018 Sep 19 [cited 2021 Mar 18]. Available from: https://fsi.stanford.edu/news/how-growing-time-constrains-impact-primary-care-physicians-and-patients

Nunes JM. A comunicação em contexto clínico. Lisboa: [s.n.]; 2010.

Fiscella K, Epstein RM. So much to do, so little time: care for the disadvantaged and the 15-minute visit. Arch Intern Med. 2008;168(17):1843-52.

Macedo A, Cavadas LF, Sousa M, Pires P, Santos JA, Machado A. Empathy in family medicine. Rev Port Clin Geral. 2011;27(6):527-32.

Roque H, Veloso A, Ferreira PL. Versão portuguesa do questionário EUROPEP: contributos para a validação psicométrica [Portuguese version of the EUROPEP questionnaire: contributions to the psychometric validation]. Rev Saúde Pública. 2016;50:61. Portuguese

Surbakti EF, Sari K. The relationship between consultation length and patient satisfaction: a systematic review. In: The 2nd International Conference on Hospital Administration, KnE Life Sciences. 2018;2018:41-9.

Oxtoby K. Consultation times. BMJ. 2010;340:c2554.

Simões JA, Prazeres F, Maricoto T, Simões PA, Lourenço J, Romano JP, et al. Physician empathy and patient enablement: survey in the Portuguese primary health care. Fam Pract. 2021;38(5):606-11.

Downloads

Publicado

2024-07-08

Como Citar

Gomes da Silva, J., Rodrigues, A. S., Alexandre, B., Monteiro, F., Mohosh, K., & Carlos, S. (2024). Avaliação da qualidade de relação médico-doente no Nordeste Transmontano. Revista Portuguesa De Medicina Geral E Familiar, 40(3), 259–67. https://doi.org/10.32385/rpmgf.v40i3.13490