Prevalência comparada de reacções adversas a medicamentos por vacinas anti-gripais

Luiz Miguel Santiago, Eugénia Paula Mesquita, Suzana Jorge, Isabel Maria De Carvalho, Maria Da Graça Rocha

Resumo



Objectivos: Estudar a diferença nas Reacções Adversas a Medicamentos (RAMs) segundo o tipo de vacinas antigripais: fragmentos de vírus inactivados e vacinas de antigénios de superfície.
Tipo de estudo: Prospectivo, comparativo, aleatorizado, aberto.
Material: Indivíduos de três Listas de Clínica Geral que entre Setembro e Dezembro de 1999 realizaram a vacinação no âmbito da normal actividade da consulta. Questionário sobre RAMs completamente validado.
Métodos: Prescrição segundo distribuição aleatória por: Grupo 1 - fragmentos de vírus inactivados e Grupo 2 - vacinas de antigénios de superfície. Vacinação intra-muscular profunda na região deltoideia direita com entrega de Questionário a ser preenchido ao quinto dia após vacinação.
Resultados: Recebidos 346 Questionários (55,8%) dos distribuídos, sendo 140 de homens (40,5%), 118 (34,1%) de indivíduos com idade igual ou inferior a 65 anos e 53 (15,3%) a situação de primeira vacinação. No Grupo 1, foram recebidos 176 Questionários e no Grupo 2, 170 (ns). Dos respondentes 26,5% referiram pelo menos uma RAM. Das RAMs, 41% têm carácter sistémico. 30,7% dos relatos de RAM no Grupo 1 e 22,3% no Grupo 2 (ns).
Conclusões: Não foram encontradas diferenças estatisticamente significativas na prevalência de RAMs, comparando os dois grupos vacinais disponíveis a partir de Setembro de 1999. Baixa prevalência de RAMs, sendo sobretudo frequentes as RAMs de carácter geral, febre e as mialgias. É boa a adesão do público a este tipo de estudos para a medida da segurança da utilização dos medicamentos.

Palavras-chave


Vacina; Vacina anti-gripe; Gripe; Farmacovigilância

Texto Completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.32385/rpmgf.v18i1.9864

Apontadores

  • Não há apontadores.


Copyright (c)