Famílias monoparentais - Uma família, um caso...

Isabel Matos Correia

Resumo


A família tem uma história natural que a faz avançar por etapas sucessivas, durante as quais os seus membros sofrem mudanças e adoptam novos comportamentos. Estas etapas constituem o ciclo de vida familiar, que é concebido como a sequência de estadios que a família atravessa desde o seu estabelecimento até à sua dissolução. A família monoparental, constituída por um só cônjuge e seus filhos, os quais podem ter diversas idades, é uma das estruturas familiares que têm vindo a aumentar nas últimas décadas, quer a nível internacional quer a nível nacional, com especial incidência a partir dos anos 70, década a partir da qual esta forma familiar parece ter triplicado, estimando-se actualmente que este tipo de família represente mais de 25% da totalidade das diversas formas familiares.
Esta tipologia familiar, tem, tal como os outros tipos de família, de lidar com os problemas e as crises do seu ciclo de vida e ainda continuar a assegurar as funções necessárias à evolução dos seus membros, pelo que se impõe a necessidade de uma diferente abordagem na ajuda da construção/reconstrução de uma nova vida familiar, psicológica e emocionalmente satisfatória para cada um dos seus membros. Assim surge a necessidade de passar da área de trabalho terapêutico, habitualmente utilizada, para a área de Terapia Familiar através do aprofundamento de conhecimentos e da sua integração na prática clínica, necessidade que se torna mais premente nesta tipologia familiar, que apresenta características e especificidades próprias e variáveis, embora tenha as mesmas funções, papéis e responsabilidades da família nuclear.

Palavras-chave


Família Monoparental; Ciclo de vida; Relacionamento Parento-filial e Fraternal; Intervenção; Referência

Texto Completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.32385/rpmgf.v18i4.9884

Apontadores

  • Não há apontadores.


Copyright (c)