Mesotelioma peritoneal maligno: o impacto de uma doença rara na prática clínica do médico de família – um relato de caso

Cátia Santos Nunes, Soraia Ribeiro, Carla Silva

Resumo


Introdução: O mesotelioma peritoneal maligno é exemplo de um tumor raro e com clínica inespecífica, sendo um desafio diagnóstico e terapêutico. O médico de família deve estar alerta para a possibilidade de uma doença rara, orientando atempadamente e dando suporte ao doente e à família vulnerável.

Descrição do caso: Homem de 78 anos, casado, reformado, com antecedentes de hipertensão arterial, excesso de peso, dislipidemia, hiperplasia benigna da próstata e diverticulose (colonoscopia 2016). Em maio 2018 iniciou queixas persistentes de dor abdominal, náuseas, anorexia e astenia. O estudo inicial revelou anemia e elevação dos parâmetros inflamatórios. Sumária da urina, radiografia tórax e endoscopia digestiva alta sem alterações. Pelas queixas foi enviado ao serviço de urgência e internado na cirurgia geral em julho. Realizou TC abdominopélvica com densificação mesentérica, envolvendo o cólon e íleo e cumpriu ciclo de antibioterapia. Pelo agravamento clínico progressivo, com perda ponderal superior a 10%, o utente e a esposa procuraram o médico de família em várias ocasiões, para esclarecimento de dúvidas e possível alívio sintomático. O médico de família foi complementando o estudo com pedido de ecografia abdominal e, mais tarde, RMN em ambulatório, após discussão do custo-benefício com o doente, esposa e neta, que revelou derrame pericárdico. É discutido o caso telefonicamente com equipa de cirurgia, e posteriormente de medicina interna, para exclusão de doença autoimune ou infeciosa. Objetivou-se anemia mantida, PCR 91,2mg/dL, serologias, marcadores tumorais, teste de Mantoux, estudo cardíaco e prostático sem alterações. Em dezembro iniciou queixas de sudorese noturna e febre, sendo enviado à urgência, ficando novamente internado para estudo. Diagnosticado com mesotelioma peritoneal maligno disseminado, para abordagem paliativa. Faleceu em maio 2019.

Comentário: Este caso demonstra a dificuldade e as barreiras diagnósticas de uma doença rara, a necessidade de apoiar o doente e a família durante o processo de deterioração clínica, bem como a importância do médico de família como elo de ligação com os cuidados de saúde secundários e no acompanhamento biopsicossocial ao doente e família.


Palavras-chave


Mesotelioma peritoneal maligno; Doença rara; Médico de família

Texto Completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.32385/rpmgf.v37i1.12732

Apontadores

  • Não há apontadores.


Copyright (c) 2021 Revista Portuguesa de Medicina Geral e Familiar

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.