Os registos dos médicos de família estão em perigo

Mónica Granja

Resumo



Os registos médicos são uma peça chave da prestação de cuidados de saúde. Nos registos dos médicos de família portugueses encontram-se frequentemente dados base muito incompletos, a substituição de notas clínicas progressivas por itens da Classificação Internacional de Cuidados Primários, problemas que não são listados ao seu mais alto nível de resolução e listas de problemas que não servem como resumo completo e rigoroso do paciente. Limitações da aplicação informática «SClínico Cuidados de Saúde Primários» podem ser uma explicação para estes problemas com os registos. Esta aplicação, por um lado, não é compatível com o Registo Médico Orientado por Problemas; por outro, força ao uso da Classificação Internacional de Cuidados Primários antes do registo propriamente dito. Imposições na avaliação de desempenho das unidades de saúde são outra possível explicação. Os médicos de família precisam de investir na qualidade dos seus registos e de participar no desenvolvimento das respetivas aplicações informáticas, mantendo-os centrados no paciente e nos cuidados a prestar.

Palavras-chave


Medicina geral e familiar; Registos médicos; Registo Médico Orientado por Problemas; Registos clínicos eletrónicos.

Texto Completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.32385/rpmgf.v34i1.12361

Apontadores

  • Não há apontadores.


Copyright (c) 2018 Revista Portuguesa de Medicina Geral e Familiar